Branqueamento a laser – A diferença está no sorriso!

Um sorriso bonito e com os dentes brancos, faz parte dos padrões estéticos actuais. Poder sorrir e falar sem receio é crucial, tanto em termos pessoais como profissionais. Um sorriso branco transmite confiança, alegria e responsabilidade.

O tabaco, o café, o chá, o vinho tinto e muitos outros alimentos, vão gradualmente pigmentando o esmalte dentário.

Existem dois tipos de branqueamento, o branqueamento de dentes vitais e o branqueamento dos dentes não vitais (desvitalizados). Estes procedimentos são normalmente realizados com um gel de peróxido de carbamida .

O branqueamento de dentes vitais pode ser feito de uma forma rápida em consultório, recorrendo à utilização do laser. Os resultados são logo visíveis apenas com uma única sessão.

Em alguns casos, quando os dentes estão muito pigmentados e de forma a optimizar resultados, pode fazer-se um complemento ao branqueamento em consultório, através da aplicação do gel branqueador em casa, através de goteiras de branqueamento individuais.

Todos estes procedimentos desde que bem acompanhados pelo médico dentista, não danificam a estrutura dentária. Os dentes não branqueiam da mesma maneira, variando de pessoa para pessoa. Um sintoma frequente após este tratamento é um ligeiro aumento da sensibilidade dentária, que é transitória, com duração aproximada de 2 a 3 dias.

O branqueamento de dentes não vitais (desvitalizados) é também uma necessidade muito frequente. Com o passar do tempo, muitos dos dentes endodonciados (desvitalizados), têm tendência a escurecer, podendo assim o branqueamento interno constituir uma alternativa a tratamento dentários mais evasivos.

É realizado em consultório e necessita de várias sessões, conforme o tipo de pigmento que escurece o dente. Não existe qualquer tipo de sensibilidade visto que o dente está endodonciado (desvitalizado).

Dependendo do tipo de alimentação e da estrutura dentária, os resultados podem ser mais ou menos duradouros. Se o paciente é fumador, se é grande consumidor de café, chá ou vinho tinto é natural que venha a recidivar mais rapidamente que um paciente que não possui qualquer destes hábitos. Nestes casos, o paciente deverá voltar a recorrer a esta abordagem terapêutica num espaço de tempo mais curto.